Se você chegou até aqui é porque o assunto tecnologia computacional lhe interessa, afinal o computador portátil – leia-se daqui em diante “notebook” – deixou, há muito tempo, de ser um luxo ou mesmo um símbolo de status e se tornou, na verdade, uma ferramenta de trabalho, e mais do que isso: um “portal” de entrada para o mundo digital.

Como estamos iniciando um novo ciclo na existência da nossa empresa, queremos postar em nosso blog assuntos relativos a esse novo mundo digital, em que, uma vez conectado, nos proporciona uma infinidade de caminhos com descobertas fascinantes.

A nossa empresa Notebook nasceu em 1992 para atender um projeto, na época, audacioso: automatizar a emissão de apólices de seguros do Banco Bamerindus do Brasil, por meio do fornecimento de 1.300 laptops aos seus corretores. Na época, os responsáveis pela TI do banco me perguntavam se era melhor um laptop ou um notebook, tamanha era a novidade do equipamento naquele período.

Os dispositivos fornecidos aos corretores naquela época eram da marca Alfa Digital, possuíam processadores 286, uma tela monocromática de 13 polegadas, um Hard Drive de 5Mb, um leitor de disquete de 5 ¼ e um modem de 1.200 BPS – algo inimaginável para o momento atual.

Comércio eletrônico ou comércio digital

O projeto com o Banco Bamerindus nos proporcionou inúmeras oportunidades comerciais, mas tudo mudou (e muito!) com o advento do comércio eletrônico. Depois de encerrar as nossas atividades em 2008, após o modelo comercial e de manutenção das empresas passar a ser gerido diretamente pelos grandes fabricantes, ressurgimos em 2020 atentos ao fato de que o “novo normal” gerou uma demanda que só pode ser atendida pelo comércio digital.

Eu, particularmente, separo o comércio eletrônico do digital, pois, no meu entendimento, o comércio eletrônico se iniciou junto de dispositivos e aparelhos variados, como telefone, fax e computadores. Já o comércio digital se iniciou quando a distância do acesso a uma compra se tornou o movimento de um simples toque do dedo, ou seja, de uma digital em um aparelho.

Outro fator importantíssimo é que, antigamente, não havia uma forma de acesso direto ao consumidor e nem como saber, por meio de informações digitais, se ele estava consumindo algo. Hoje, o fato de os consumidores estarem totalmente conectados aos seus aparelhos digitais possibilita que as ofertas de fornecedores cheguem diretamente a eles sem intermediação alguma, o que era impossível no passado do comércio eletrônico.


Um novo tempo

Os softwares criados tanto por empresas desenvolvedoras quanto pelos buscadores, para auxiliar no processo desde o engajamento até a finalização de uma venda, mudaram a forma de trabalhar e promoveram uma ruptura no modelo econômico mundial.

Queremos aqui, neste blog, apresentar assuntos relacionados a esse contexto. Afinal, estamos fortemente inseridos neste cenário e, por isso, temos a capacidade de avaliar ferramentas de suporte e assuntos inerentes à tecnologia, auxiliando, assim, usuários que precisam de informação fidedigna.